quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Coluna SNACK BAR - O Lado B da Humanidade: AO PREGÃO DA BOVESPA (Uma Aventura na Rua Quinze de Novembro)





            AO PREGÃO DA BOVESPA
            (Renato Pop & Mateus Duarte)
           
            Montado numa Vespa
            Ao pregão da Bovespa
            Eu chego sem dilema
            Pra dominar o esquema
           
            Da bolsa de valores
            Dos valores da bolsa
            E todo o estratagema
           
            Mas eu só vejo Dólar
            Cair como uma esmola
            No chão dum calabouço
            Distante do meu bolso
           
            Da bolsa de valores
            Dos valores da bolsa
            E de algum reembolso
           
            E sempre que o Yakisoba
            Sobre o meu prato, sobra
            Me despeço do almoço
            E volto a roer o osso
           
            Na bolsa de valores
            Nos valores da bolsa
            E sem nenhum tremoço
           
            Quando, por fim, termina
            O dia que me amofina
            Quase cravando o prego
            No caixão que carrego
           
            Na bolsa de valores
            Nos valores da bolsa
            E que jamais renego





Todavia, há um ditado que afirma o seguinte: "a boa mulher é aquela que perdeu a virgindade e manteve a classe". Contudo, como é possível manter a "classe" se se cultua o axioma que prega que "o aspecto proveitoso da fidelidade é que ela comprova o quão prazerosa é a promiscuidade"?
Simples: criando uma sociedade paralela. Em que a distorção social transforma a fraqueza em virtude.
Assim, um grupo de misses embarcou em uma cruzada contra a real razão de seu fracasso: a competência alheia. E se deparou com o sucesso da incompetência: ou seja, o acaso.
 
A Quadrilha das Misses Assassinas*
(*caso ainda não tenha esta obra na sua banca, click aqui, com o fim de obter desconto, ao arrematar um lote, e aumente a sua margem de lucro)

http://www.clubedeautores.com.br/book/124263--A_Quadrilha_das_Misses_Assassinas


sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Coluna SNACK BAR - O Lado B da Humanidade: IMPERFEITO AMOR (O Canto da Gaita Galega)








Todavia, há um ditado que afirma o seguinte: "a boa mulher é aquela que perdeu a virgindade e manteve a classe". Contudo, como é possível manter a "classe" se se cultua o axioma que prega que "o aspecto proveitoso da fidelidade é que ela comprova o quão prazerosa é a promiscuidade"?
Simples: criando uma sociedade paralela. Em que a distorção social transforma a fraqueza em virtude.
Assim, um grupo de misses embarcou em uma cruzada contra a real razão de seu fracasso: a competência alheia. E se deparou com o sucesso da incompetência: ou seja, o acaso.

 
A Quadrilha das Misses Assassinas*
(*disponível nas melhores bancas e livrarias)

http://www.clubedeautores.com.br/book/124263--A_Quadrilha_das_Misses_Assassinas


sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

À BRASILEIRINHA (O Ensaio de Lola Melnick para a Playboy)

            “Você gosta de foder gostoso?” – é a primeira pergunta que, com um respaldo constitucional, todo homem deveria ter a obrigação moral de fazer a uma mulher. Com a finalidade de economizar tempo, lábia e dinheiro. E também para que, em havendo uma desonestidade da cuja, ele seja indenizado; e, assim, disponha de recursos para uma futura investida.
            Não se perpetrando, por tanto, o que ocorreu com Lester Burnham – vivido por Kevin Spacey – em “Beleza Americana”. Que, no drama – dirigido por Sam Mendes e lançado em 1999 –, mudou de vida, para se relacionar afetivamente com Angela Hayes – interpretada por Mena Suvari. Uma adolescente que se gabava de ser uma “vadia”. Mas que, na prática, se confrontada fosse por uma pica, seria capaz de enfiá-la na bunda (o que não seria em nada ruim, se ela manjasse do assunto).
            Ademais, enquanto a clarividência for o único caminho para a alma feminina, o cinema continuará tendo a obrigação de torná-la menos subjetiva. Já que a sétima arte sempre se encarregou de explorar o tema. E, com isso, demonstrou que, na mente da mulher, o sexo funciona como uma espécie de terapia. Pois ele divide as fêmeas em dois grupos: o das que usam a cama para ganhar a vida e o das que a utilizam dela para não desperdiçar a mesma.
            Logo, no filme “Romance”, de 1999, a diretora Catherine Breillat levou à tela a história de uma mulher que se compraz em se satisfazer sexualmente.
            Contrastando com “Sexo por Compaixão”, de 2000. Em que Laura Mañá conduziu o enredo que trata de uma mulher que se alegra em suprir a carência sexual alheia.
            E, por fim, conclui-se o silogismo conceitual com “Ninfomaníaca / Volume 1 e 2”, de 2013. Em que Lars Von Trier transformou em arte a tragédia da mulher que se condena por fazer as duas coisas; quando não ao mesmo tempo, pelo menos, por dar no momento em que cria ser certo receber ou por receber na hora em que deveria ser solícita.
            Todavia, um indício se terá de que a alma feminina deixou de ser um mistério quando a TV aberta tiver o despudor de veicular um programa como: “Você Quer Trepar Comigo?” Em que, incialmente, alguns casais se dividirão entre machos e fêmeas. Depois, em ambientes distintos e incomunicáveis, através de uma série de perguntas – em que se abordará, por exemplo, uma preferência ou não por escatalogia – amealharão pontos, até que sejam reconfigurados ou não os pares, por meio da acusação dos menos díspares. E, então, cada qual dos campeões receberá a chave de um quarto de motel. Onde o macho fará à fêmea a pergunta que dá razão ao programa. Quando, com um “fade out”, a atração se encerará, deixando a indagação no ar.
            Contudo, o elo que ata o desejo à realidade continua restrito à ficção. Como se vê na edição de Nº 475 da Playboy de dezembro de 2014. Na qual, o fotógrafo Gerard Giaume trabalhou com o mote da mulher que se contenta em ser a benesse do poder. E não se importa em só servir para inflar o ego e a calça daquele que está no topo de uma hierarquia, contanto que ele lhe ofereça uma forma de sobrevivência.
            Dado que, no cume de um morro – ou seja: do acidente geográfico e “social” que caracteriza qualquer paisagem praiana –, a russa Lola Melnick, que é a estrela do mês, encarna a mulher de um traficante.
            A qual tem, debaixo de suas angelicais madeixas, uma pele única; que, como uma esponja, absorve os mais sórdidos anseios.
            E que, depois, aos poucos, um pouco dessa lubricidade alambica.
            Já que, inicialmente, junto às rochas de uma praia, Lola doura as tetas maternais e as mundanas nádegas sob um Sol atrevido. Que, embora não lhe penetre nas cavidades, as mantêm úmidas e aquecidas.
            E, em seguida, outro tanto ela destila a bordo de um veleiro. Onde protagoniza um pôster que merece um lugar de destaque na parede do aposento de qualquer sujeito solipso. Visto que, nele, grudada ao mastro, ela se espicha como uma (recém-pescada) “truta”. E, assim, exibe uma vagina apetitosa e pelada.



Você tem medo das suas fantasias sexuais?

Leia O Amante Secreto e se orgulhe delas.



http://www.clubedeautores.com.br/book/32884--O_Amante_Secreto#.VypTP5TmrIU
CLK AK





PROMOÇÃO DE NATAL

De 06 a 13 de dezembro de 2017, os livros " O Amante Secreto ", " A Quadrilha das Misses Assassinas ", " Os V...

JORNAL "O MOCHILEIRO" - receba os artigos do blog mais sacana da paróquia em seu e-mail.

INVISTA NO NOSSO BLOG, ADQUIRINDO OS PRODUTOS AQUI ANUNCIADOS.