quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

PROMOÇÃO DE NATAL




De 06 a 13 de dezembro de 2017, os livros "O Amante Secreto", "A Quadrilha das Misses Assassinas", "Os Vivos Não Morrem Onde os Mortos Não Vivem" e "Existem Coisas Tão Estúpidas, Que Não Merecem Menção" serão comercializados, no site do Clube de Autores, com 25% de desconto. Sendo que, para quem quer dar uma banda, eles também estão à venda nas Americanas, nas Casas Bahia, no Extra e no Ponto Frio.



"Sexo, sexo, sexo e mais sexo é tudo o que ocorre quando um grupo de amigos se reúne, em Itanhaém, com o fim de perpetrar uma orgia. E quase se afogam na própria porra, pois, em 'O Amante Secreto', ninguém dorme de saco cheio."
http://www.clubedeautores.com.br/book/32884--O_Amante_Secreto?topic=ficcao#.WCC_oYWcHIU



"Em 'A Quadrilha da Misses Assassinas', quatro misses fracassadas se bandeiam para o lado do crime, ao descobrirem que é no meio das pernas que mora o perigo."
http://www.clubedeautores.com.br/book/124263--A_Quadrilha_das_Misses_Assassinas?topic=ficcao#.WCC_hIWcHIU



"Em 'Os Vivos Não Morrem Onde os Mortos Não Vivem', a falta de ter o que fazer se torna letal, quando um cidadão leva a garota que conheceu no Facebook para transar no cemitério e descobre que trepou na sepultura errada."
http://www.clubedeautores.com.br/book/197570--OS_VIVOS_NAO_MORREM_ONDE_OS_MORTOS_NAO_VIVEM#.WCC_UoWcHIV




"E, em 'Existem Coisas Tão Estúpidas, Que Não Merecem Menção', um sujeito perde a cabeça, ao deixá-la sobre o pescoço da pessoa errada."
http://www.clubedeautores.com.br/book/197574--EXISTEM_COISAS_TAO_ESTUPIDAS_QUE_NAO_MERECEM_MENCAO?topic=arteseentretenimento#.WCC_aIWcHIU

BANQUETE DE NATAL

            Jerônimo Jacmel se deleitava com o silêncio do seu apartamento. Ao qual, pela janela da sala, entravam os ruídos da Avenida Conselheiro Nébias e, pela da área de serviço, o som das pancadas perpetradas pelas ondas que castigavam a areia da Praia do Boqueirão. Posto que, desde o divórcio, mais atrativo do que o bar seu lar se tornara.
            Contudo, o argumento último de sua ex-esposa ainda lhe encafifava. Pois, depois do “adeus”, ela disse que ele se arrependeria do momento em que ela a porta cruzasse. Dado que ele só pensaria na atividade sexual dela.
            Não que Jacmel se importasse com quem fizesse uso da vagina que, contra a sua vontade, ela sempre manteve peluda.
            Até porque, dos três buracos de que ela dispunha, esse se tornara o menos sedutor.
            Visto que vetada por ela era a entrada do seu pênis em qualquer um dos outros dois.
            Mas porque isso o recordava da sua inatividade sexual.
            Que, devido aos últimos anos de casado, um recorde negativo lhe infligia.
            E o pior era que a isso se acresciam os fatos de que, além da sua mulher não ter servido como mulher, o casamento lhe sacara o charme de galã e a pensão dos dois filhos filava-lhe a verba que o faria ficar atraente até para a mais ignorante das feministas.
            Ademais, naquele ano, o índice de natalidade baixou na Baixada Santista de forma alarmante. Tanto que, segundo os estudos, dentro de décadas a Ilha de São Vicente seria tão habitada quanto a Ilha de Pascoa.
            Por isso, as Prefeituras de Santos e de São Vicente, em parceria com os Correios, substituíram a campanha de fim ano, em favor das crianças carentes (por motivos óbvios), por uma ação em benefício dos solteiros necessitados.
            Que consistia em intermediar um encontro de dois “encalhados”, em prol de uma “trepadinha natalina”.
            E para que, na véspera de Natal, pudesse comer algo que rimasse com peru, Jerônimo escreveu, tal como especificava o regulamento, uma carta para o Papai Noel pedindo algo de que gostasse. No caso, uma loira parruda. Mas não qualquer uma. E sim, que se equiparasse com o padrão de mulher que era desenhado por Robert Crumb. Depois, à missiva anexou algumas fotos suas, a fim de que, do outro lado, a bondade da pessoa palpitasse mais na genitália do que no coração.
            Então, Jerônimo colocou-a na caixa do correio, como se penetrasse numa vulva horizontal.
            E depois, passou os dias, em que aguardava por uma resposta, se dedicando a uma dieta afrodisíaca e muita masturbação. Pois queria “matar a bunda” da mulher que se submetesse a essa situação.
            Quando, numa noite, ao regressar da rádio, onde, como redator, labutava, uma carta remetida pelos Correios, que fora jogada por baixo da porta, encontrou.
            Constando nela que, como houvera sido um “bom solteiro”, o Papai Noel lhe enviou uma senha.
            Com a qual, por meio do site dos Correios, acessou uma página em que as fotos e os dados da pessoa que queria lhe visitar se encontravam.
            Uma mulher chamada Sorina.
            À qual telefonou e um horário estipulou.
            Todavia, tendo apreço pelo fato de ela, a cada três palavras, se valer de termos do naipe de “porra” e “caralho” para concluir seu raciocínio. Já que, por isso, não se acanharia na hora de dizer que queria comer-lhe o cu.
            Então, na véspera da véspera, Jerônimo guardou a pornografia em um cofre, com o fim de economizar cada gota de esperma e tesão que pudesse.
            Não que lhe estivesse faltando.
            Mas porque pretendia estar em forma para atingir o ponto G, na hora H, do dia D.
            Depois, comprou um monte de comida, que não tinha a intenção de devorar, e, na véspera, preparou um espetacular banquete para a ceia de Natal.
            Para a qual, tendo alcançado a ocasião, as horas se passaram e Sorina não apareceu.
            Fazendo-o se sentar junto ao interfone e comer rabanada, com o fim de conter a ansiedade.
            Quando ouviu alguém mexer na fechadura do seu apartamento. E não acreditou que, mesmo com a ausência de uma chaminé, o Papai Noel agiria como um arrombador.
            Por isso, se muniu de um porrete e se ocultou na cozinha – cuja porta era voltada para o corredor, que ligava a entrada à sala.
            De lá, então, escutou a porta ser aberta e fechada. Depois, viu a luz do corredor ser acesa e se ateve ao estrépito dos passos, que pareciam ter um destino certo. Fazendo-o se sentir em uma trama narrada por Gil Gomes. E quase teve um enfarte, ao ver uma figura que se cobria com um balandrau vermelho e calçava um gorro igual ao do Papai Noel.
            Porém, a aflição se transmutou em ira, quando se revoltou com o fato de o ladrão ter pervertido a lenda do “bom velhinho” e, por isso, o puniu com um golpe que quebrou o cacete.
            Então, Jacmel virou o corpo e ficou pasmo, ao ver que se tratava da sua ex-esposa. Que, sob o balandrau, vestia apenas um conjunto de calcinha e sutiã vermelhos.
            Quando o telefone tocou.
            E, ao atendê-lo, falou com sua ex-cunhada. Que o atualizou da programação que sua irmã fizera para a noite de Natal.
            Primeiro, dizendo que ela saíra da sua casa há uma hora e, por tanto, a qualquer instante, chegaria por lá. Visto que tinha o intuito de fazerem as pazes.
            Em segundo, pedindo para que, ao término desse prazo, ela lhe telefonasse, com o propósito de alertá-lo. A fim de que não se assustasse com a repentina aparição. E, também, para (e isso ela esclareceu que só falava por desencargo de consciência) que ele não tivesse tempo de lhe dizer “não”.
            Ao que Jacmel apenas agradeceu.
            Sem mais, ele foi ver se ela ainda respirava. E, para seu alívio, ela só estava desfalecida. Então, colocou-a de bruços, baixou-lhe a calcinha e (como ela ali estava para isso mesmo) resolveu desfrutar do que nunca desfrutara.
            Depois, a fim de não ter que carregar peso, reanimou-a. E, assim que ela recobrou um mínimo de lucidez, a fez se erguer e a levou para fora.
            Desceu com ela balbuciando bobagens pelo elevador.
            Para, por fim, dizer ao porteiro que ela se excedera na dose do “mé”.
            E, sem mais, levou-a à praia. Onde pretendia jogá-la em um canto qualquer.
            Quando um pedinte lhe pediu uma moeda. E Jerônimo lhe disse que só tinha aquela mulher. Que, com um malicioso sorriso, o cujo aceitou.
            Posteriormente, para casa Jerônimo regressou.
            Ingeriu uma onça de eggnog e viu que, pelo horário, seu Natal definhara.
            Quando o interfone tocou.
            E, ao atendê-lo, informado foi de que um policial subiria para falar com ele.
            Sem mais, Jacmel bebeu mais um pouco e aguardou pelo soar da campainha.
            O que não tardou.
            Até a porta, então, ele foi, abriu-a e viu que o policial conduzia Sorina. A qual, pela vermelhidão da tez, parecia ter se “bronzeado” em um alambique.
            Todavia, o defensor da lei disse que a autuou quando a viu tentando arrombar a porta do próprio carro. Já que ela se esquecera de que tirara a chave da bolsa para abri-lo e, por essa razão, não a encontrara no interior da mesma.
            Mas como era noite de Natal, e ela possuía um envelope, com o endereço dele, ele resolveu levá-la para lá.
            E Jerônimo aceitou o “presente” que, como um “Papai Noel Cinza”, o policial lhe entregou.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

FRONTEIRAS DA CIÊNCIA

 
A Ilusão do Terceiro Reinado*



Todo domingo, às 07:00pm, com reapresentação aos sábados, às 09:00pm, a TV Santa Cecília apresenta, sob a tutela do Professor Jadir Albino, o programa "Fronteiras da Ciência", no Canal 013, da NET caiçara, ou, online, no Santaportal. Entrevistando os mais notáveis expoentes da paranormalidade nacional.



            Nota: o quadro em questão, que está em exibição no Museu Histórico Nacional, se chama “A Ilusão do Terceiro Reinado” (e carrega a sinistra alcunha de “O Baile da Ilha Fiscal”) é de autoria de Francisco Aurélio de Figueiredo e Melo e tem o ano de 1095 como data de sua conclusão.
            Todavia, ele trata da última festa perpetrada pela monarquia, em 09 de novembro de 1889. Já que no famigerado dia 15 seria proclamada a república.
            Mas mostra mais do que os olhos mundanos conseguem ver.
            Como na peça “Hamlet, Príncipe da Dinamarca”, de William Shakespeare, o protagonista da trama, diante do que só os seus olhos conseguiam captar, revela: “Existem mais coisa entre o céu e a terra, Horácio / Do que você sonha em sua filosofia”.
            Pois, graças ao viés maçônico que o pintor expressa em sua arte, se vê, no céu, ao fundo, a egrégora da República chegando com a atual bandeira brasileira e pondo de lado os santos. O quais que, até então, tinham a realeza como mediadora, entre si e o homem.




Programa de 10 de dezembro de 2017
Com o Professor Américo Barbosa








Santos
A Capital Esotérica do Brasil



Em A FILOSOFIA DE UM ASCETA se discorre sobre a busca do MUNDO ESPIRITUAL. Ou seja, daquilo que transcende a TERCEIRA DIMENSÃO. E que, parece se distanciar da REALIDADE, por conta do que ocorre nos versos que RAUL SEIXAS tão bem cantou em EU TAMBÉM VOU RECLAMAR: “Dois problemas se misturam / A verdade do Universo / E a prestação que vai vencer”. Mas que podem se atar se, tal qual o YIN YANG, se compreender que, de um lado, cabe à CIÊNCIA cuidar das coisas da TERRA, enquanto que, do outro, a RELIGIÃO deve zelar pelos desígnios do CÉU. E, juntas, nos conduzir rumo à ETERNIDADE.




https://www.clubedeautores.com.br/book/235224--A_Filosofia_de_um_Asceta#.WS7F1IWcFMs

domingo, 10 de dezembro de 2017

NOTÍCIAS...





No sábado, dia 16 de dezembro de 2017, das 04:00pm às 06:00pm, e a 02ª, ocorrerá exibição do filme As Leis do Universo, Parte 0 - uma ficção científica de teor ufológico dirigida por Isamu Imakake -, na sede da Happy Science de Santos , que fica na Rua Júlio Conceição, nº94, no bairro de Vila Matias, em Santos. Com o ingresso valendo R$10,00.
Mais informações: pelo telefone 013 3219 4600, ou pelo WhatsApp 9 9158 4589.





Peça ao seu jornaleiro de confiança os livros da coleção “O  Sangue Derramado” e ajude a desenterrar a literatura mal-assombrada do Brasil.

 
 
 

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Da Série "Sonetos Para a Juventude": O ESTÁDIO DA RUA JAVARI

            Numa tarde em que o Sol se via a vibrar
            E, até, a berrar, como um javali
            Bem sobre o estádio da Rua Javari
            Fazendo o bom capeta transpirar
           
            E, aos poucos, se matava por um gol
            O time do Juventus a correr
            Despertando o desejo de beber
            Uma cerveja, no frio de Moscou
           
            Por entre a multidão eu me esgueirei
            A caça duma ruiva sem igual
            Que pertencia a uma nobre grei
           
            Em cujo busto, então, se podia ver
            Os seus seios sardentos de caulim
            Que sob o luar eu pude lamber





Todavia, há um ditado que afirma o seguinte: "a boa mulher é aquela que perdeu a virgindade e manteve a classe". Contudo, como é possível manter a "classe" se se cultua o axioma que prega que "o aspecto proveitoso da fidelidade é que ela comprova o quão prazerosa é a promiscuidade"?
Simples: criando uma sociedade paralela. Em que a distorção social transforma a fraqueza em virtude.
Assim, um grupo de misses embarcou em uma cruzada contra a real razão de seu fracasso: a competência alheia. E se deparou com o sucesso da incompetência: ou seja, o acaso.
 


A Quadrilha das Misses Assassinas*


(*caso ainda não tenha esta obra na sua banca, click aqui, com o fim de obter desconto, ao arrematar um lote, e aumente a sua margem de lucro)





http://www.clubedeautores.com.br/book/124263--A_Quadrilha_das_Misses_Assassinas

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Coluna Rio Sanzu: O MILAGRE DA MEDITAÇÃO

            Na chuvosa tarde de domingo, em 19 de novembro de 2017, boa parte da audiência do programa Fronteiras da Ciência, que é veiculado pela Santa Cecília TV, compareceu ao templo da Happy Science, em Santos. Já que, no domingo, dia 12, ao Professor Jadir Albino, seu apresentador, a Monja Alice Miyabara concedeu uma entrevista, em que falou da palestra que ministraria. Que como tema teria a meditação.
            Meditação que, ao contrário do que se vende, é uma prática inerente à religião.
            Tanto que, no livro “Buda: O Mito e a Realidade”, Heródoto Barbeiro, seu autor, estabelece que: “Sem meditação, não há iluminação”. E, em “O Renascimento de Buda”, o Mestre Ryuho Okawa esclarece que: “Significa que a fragrância da iluminação / Deve brotar de dentro do coração / Fluindo e flutuando à sua volta”.
            Ademais, o público que compareceu ao evento se deparou, na recepção do templo, com a vasta bibliografia de seu fundador – o Mestre Okawa. Que, nas prateleiras, pareavam com o mais recente lançamento: O Milagre da Meditação.
            Ou seja, um manancial de matéria-prima para quem quer se ater ao assunto.
            Doravante, durante a palestra, a Monja Alice discorreu sobre as máximas e os pormenores da meditação. Desmistificando vários aspectos.
            Como o de executá-la na posição de lótus. Que faz com que, ao invés de desatar os nós da mente, o praticante se enrole em um exercício de contorcionismo.
            Quando o ideal é que se medite confortavelmente. De preferência, tendo o espaldar de uma poltrona para escorar a cacunda.



























































































HAPPY SCIENCE
Rua Júlio Conceição, nº94, no bairro de Vila Matias, em Santos.



Em A FILOSOFIA DE UM ASCETA se discorre sobre a busca do MUNDO ESPIRITUAL. Ou seja, daquilo que transcende a TERCEIRA DIMENSÃO. E que, parece se distanciar da REALIDADE, por conta do que ocorre nos versos que RAUL SEIXAS tão bem cantou em EU TAMBÉM VOU RECLAMAR: “Dois problemas se misturam / A verdade do Universo / E a prestação que vai vencer”. Mas que podem se atar se, tal qual o YIN YANG, se compreender que, de um lado, cabe à CIÊNCIA cuidar das coisas da TERRA, enquanto que, do outro, a RELIGIÃO deve zelar pelos desígnios do CÉU. E, juntas, nos conduzir rumo à ETERNIDADE.



https://www.clubedeautores.com.br/book/235224--A_Filosofia_de_um_Asceta#.WS7F1IWcFMs

NOTÍCIAS...




Na sexta, dia 22 de dezembro de 2017, a partir das 10:20pm, será apresentado pela Rede Globo o Especial Roberto Carlos 2017, com a participação de Isis Valverde - a musa do soneto Os Mistérios -, no canal 501 da NET HD.



            OS MISTÉRIOS
           
            Doravante, são tantos os mistérios
            Que, quão empoeirados num porão
            Escondem-se por trás dos olhos dela
            Comumente causando comoção

            Quiçá contendo histórias cujo enredo
            Façam um firme solo sacudir
            Ou talvez caiam no esquecimento
            Porque não tenham forças pra existir

            Moldados sendo sem exatidão
            Ao cruzarem a senda da memória
            Sob uma densa névoa de ilusão

            E que sempre fazem-na concluir
            Que o bom de tudo ainda está guardado
            No interior do que lhe há de vir



Peça ao seu jornaleiro de confiança os livros da coleção “O  Sangue Derramado” e ajude a desenterrar a literatura mal-assombrada do Brasil.

 
 
 

PROMOÇÃO DE NATAL

De 06 a 13 de dezembro de 2017, os livros " O Amante Secreto ", " A Quadrilha das Misses Assassinas ", " Os V...

JORNAL "O MOCHILEIRO" - receba os artigos do blog mais sacana da paróquia em seu e-mail.

INVISTA NO NOSSO BLOG, ADQUIRINDO OS PRODUTOS AQUI ANUNCIADOS.